domingo, 15 de julho de 2012

"Kintsugi"

Li na internet e gostei:

"Quando os japoneses consertam objetos quebrados, eles exaltam o dano preenchendo as rachaduras com ouro. Acreditam que, quando algo já sofreu danos e, portanto, tem uma história, torna-se mais bonito e único."

Fonte: 
Saulo Fong.

"A árvore não nega..."



''A Árvore não nega sua sombra nem ao lenhador."
Provérbio hindu

"Morre lentamente..."


"Somos todos visitantes deste tempo..."


"Os tristes acham que o vento..."


Revolução de 1932

No último dia 9 de julho foi feriado aqui no estado de São Paulo: qual o motivo? Uma boa parte da população desconhece.
Cartaz da Revolução

O dia 9 de julho marca o começo da Revolução de 1932, que é considerada a primeira grande revolta contra o governo de Getúlio Vargas e que tinha o objetivo de derrubar o chamado "Governo Provisório" e promulgar uma nova constituição.

Foi neste combate que tombaram nossos heróis paulistas Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo (e que desde 2011 tiveram seus nomes inscritos no Livro dos Heróis da Pátria).

O conflito durou 87 dias e o estado de São Paulo, após a Revolução de 1932, voltou a ser governado por paulistas e, em 1934, ganhamos uma nova Constituição.

Uma curiosidade: em 2012, ano em que se completa o 80º Aniversário da Revolução, felizmente ainda contamos com 41 ex-combatentes vivos (sendo o mais novo, o sr. Paulo Barros Camargo, com 96 anos).

Para quem quiser pesquisar mais sobre fatos e fotos da revolução, sugiro o seguinte blog: Tudo por São Paulo 1932 

Convite da Sociedade Veteranos de 1932 

¿Español o Castellano?

Sempre em sala de aula, meus alunos fazem tal pergunta:
qual o nome correto: espanhol ou castelhano? Há alguma diferença? Respondo que não, veja abaixo o porquê.

Muitos estudantes quando começam a aprender o espanhol ficam curiosos quanto a esta diferança, mas não há diferença alguma. Segundo o Diccionario de la Lengua Española, da Real Academia Española, são vocábulos sinônimos. 


Español: m. Lengua común de España y de muchas naciones de América, hablada también como propia en otras partes del mundo.

Castellano: m. Lengua española, especialmente cuando se quiere introducir una distinción respecto a otras lenguas habladas también como propias en España; dialecto románico nacido en Castilla la Vieja, del que tuvo su origen la lengua española.

Os termos são de épocas distintas. Como mencionado no dicionário, é de Castilla la Vieja (Castela, a Velha) que vem o dialeto castelhano que, anos mais tarde, será a língua oficial e predominante no Reino da Espanha, isto porque lá também são falados o galego (na Galícia), o basco (no País Basco) e o catalão (na Catalunha). 

Uma curiosidade: dentro da própria Espanha, mais ao norte, os habitantes preferem usar o termo "castellano"; já ao sul, na Andaluzia (terra de meu avô) e nas ilhas Canárias, eles usam o termo "español".

Agora, em outros lugares, como na América do Sul, nosso continente, talvez a dúvida surja mais por uma questão política. Os hispano-americanos (argentinos, bolivianos, chilenos, peruanos, paraguaios etc.) não admitem a ideia de que falam o idioma espanhol. Para eles, o correto é idioma castelhano (lembremos que o Reino de Castela já não mais existe, assim é mais fácil usar este termo em vez do termo espanhol, pois o Reino da Espanha ainda existe e foi o país que colonizou os demais países hispânicos). (Robson Gimenes)

Fonte:
Diccionario de la Lengua Española - Vigésima segunda edición, Real Academia Española, 2012.
 


A mundialmente famosa Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, acabou de receber uma grande doação de um de seus ex-alunos: 75 milhões de libras esterlinas (por volta de 236 milhões de reais. A notícia foi divulgada na noite da quarta-feira, 11 de julho. A doação foi feita pelo hoje capitalista e ex-jornalista Michael Moritz, graduado em Oxford no ano de 1976, no curso de história da arte.

A doação irá se somar a um fundo que financiará 100 estudantes ingleses com renda inferior a 16 mil libras anuais. Cada um recebrá 11 mil libras para custear matrícula e manutenção durante o ano letivo. (Robson Gimenes)

Michael Moritz (capitalista britânico, 1954)

Minha Nina partiu!

Há uma semana, em 17 de maio, por volta das 11h da manhã, "A Luz de Minha Casa" se apagou de um modo inesperado. Um dia brinc...